24/06/2020

O armário e o contexto social da cura gay



O que é o armário? Porque é tão importante a saída dele? Você provavelmente já ouviu a expressão "sair do armário". Essa expressão bem ofensiva, existe no vocabulário popular para determinar quem é LGBT assumido e quem não é. Ou seja, o "armário" simboliza alguém escondido, que tem a sua orientação sexual ou identidade de gênero escondida tanto para a família como para a sociedade em que vive. Nesse momento, ainda é um problema em várias partes do mundo e aqui no nosso país também é você poder ter a sua liberdade afetiva, embora claro isso venha se flexibilizando com o passar dos anos, mas ainda sim falta um longo caminho pela frente.

A saída do armário, é usada para sinalizar que alguém se assumiu, se mostrou. Mas na realidade, não deveríamos "revelar" nada. É apenas o nosso modo de viver, alguém aqui já viu alguém hétero se assumir hétero? Não pois a heterossexualidade é algo visto como normal na nossa sociedade, mas eles se esquecem de que é uma orientação sexual como qualquer outra. A saída do armário quer dizer liberdade, e que mesmo que a gente não tenha obrigação de se assumir pois a sociedade não tem nada a ver com a nossa vida, sair do armário deve ser motivo de bastante alegria, pois o peso do medo e da rejeição nas costas se tornam menor.

Mas sair dessa situação, o armário, não é algo fácil. Hoje em dia alguns lgbt's assumidos falam muito do orgulho de sair do armário. Eu, Adeilson, não acho nada legal falar dessa forma, afinal é uma conquista linda, perfeita e maravilhosa sair do armário? Sim! Mas precisamos entender o quanto é difícil estar lá dentro, e o que menos se precisa nessas horas é de pessoas que se orgulham de estar lá fora, mas que não mexem um braço pra ajudar quem está lá dentro. E lá dentro, é difícil de verdade. Eu tenho a minha sexualidade aberta a muito tempo, mas eu já passei por isso assim como muitas pessoas. Por isso eu sempre digo uma coisa: cada um tem o seu tempo. É necessário paciência e saber a hora certa, afinal ninguém sabe da realidade um do outro para saber como proceder. Apoie!


O armário além de seus obstáculos sociais e familiares, ainda deixa marcas psicológicas nas pessoas. Quem está lá dentro, sofrendo pressão de todos os cantos e com medo de ser agredido e julgado, tem a sua saúde mental super fragilizada, ao ponto dessas pessoas acreditarem que elas são tão diferentes e que o erro na verdade são elas mesmas. Esse tipo de pensamento ocorre geralmente seguido de uma pergunta para si mesmo "Como eu posso ser igual a todo mundo?". Essa pergunta é o primeiro passo para a procura de ajuda psicológica, mas de forma nada agradável. Essas pessoas ainda não libertadas desse armário, tendem à procurar terapias de conversão que são terapias de reorientação sexual, onde nesse tipo de terapia os métodos tem o foco na eliminação da orientação sexual homossexual no indivíduo.

Esse tipo de terapia é abominado no setor da ciência da Psicologia. É uma prática antiética e não é recomendado por nenhum conselho de psicologia do mundo. Essa terapia agride a mente do paciente que já está em estado fragilizado e delicado, onde em alguns casos pode levar ao paciente a cometer suicídio. Esse tratamento não tem embasamento científico nenhum que comprove a melhora nos pacientes, logo o que na verdade se mostra dentro dessa terapia é um total desrespeito tanto ao paciente quanto à ciência da Psicologia.

Alguns "psicólogos" (e eu coloco entre aspas mesmo) que fazem esse tipo de terapia, usam a desculpa de que devemos acolher e atender a todo tipo de paciente. Mas ser psicólogo não é isso, não estamos ali para atender a todo tipo de pedido que nos é lançado, ainda mais quando o pedido for "Eu quero deixar de ser gay", isso é impossível. Uma orientação sexual não pode ser mudada por nenhuma ciência do mundo, a prática dessa terapia é condenável. A pessoa que se diz profissional da psicologia, um psicólogo de verdade com toda certeza não aceitaria de forma alguma essa prática lamentável.


Esse pensamento é interiorizado socialmente, onde a todo momento o indivíduo que ainda se encontra no "armário" é exposto a todo e qualquer tipo de comentário maldoso e preconceituoso dentro e fora de casa, onde a sua única saída é recuar. Essa pessoa ouve indiretamente em todos os sentidos que a sua forma de amar é errada, somando sua fragilidade com esse tipo de ambiente nada favorável ela passa a acreditar que sim, ela é o erro naquele momento. A busca pela terapia conversiva em alguns casos começa a partir do momento em que a pessoa não aceita a si mesmo devido ao seu contato com pessoas desagradáveis e ambientes emocionalmente desfavoráveis.


A terapia de conversão também tem a sua expressão popular. Que nada mais é que uma forma mais fácil de se falar sobre o problema, transformando as palavras difíceis em algo mais popular e que consiga chegar a qualquer tipo de pessoa. A terapia de conversão ganhou o nome de "Cura Gay", é assustador não é? Como que podemos nos curar de algo que já nasceu com a gente? Isso não existe! Esse tipo de terapia na verdade esconde um contexto social por trás dos psicólogos que fazem essa prática e que muita gente não percebe. Esse tratamento de reversão sexual revela muito mais sobre qual é o tipo de profissional que estamos lidando.

O contexto social escondido nessa prática está justamente nos métodos usados nessa terapia. Onde nelas são usados além de técnicas comportamentais e cognitivas, os que aderem à prática usam também procedimentos médicos, religiosos e espirituais. A cura gay só revela o tipo de pessoa que na verdade existe dentro daquele "profissional da psicologia". Onde conceitos religiosos, sociais e morais do indivíduo que está exercendo a prática são levados em conta no momento da terapia. A psicologia não faz distinção de nenhum tipo de religião, orientação sexual, status social ou econômico, cor, raça, etnia... O nosso trabalho é poder trazer o acolhimento e a melhora a qualquer tipo de pessoa, sem definir nenhuma delas.

Ou seja, a cura gay revela muito mais dos preconceitos do profissional à nossa frente do que realmente imaginamos, colaborando com a propagação do preconceito e debilitando ainda mais a saúde mental do paciente que já está enfraquecido. Então antes mesmo de se tornar psicólogo saiba que no ambiente de trabalho devemos deixar de lado qualquer coisa em que acreditamos ser certo ou errado. Isso não quer dizer que não possamos ter as nossas crenças, valores e opiniões, pelo contrário podemos sim, mas enquanto a gente estiver diante de alguém que está mentalmente frágil, devemos tomar todo tipo de cuidado e achar a melhor maneira de guiar aquele indivíduo a sua melhora. A nossa mente é capaz de fazer coisas inimagináveis, é algo mais que poderoso, o nosso trabalho é delicado e requer acima de tudo imparcialidade, não no sentido real da palavra, mas ser imparcial em qualquer sentido, deixando o indivíduo livre, em um ambiente seguro e sigiloso onde ele possa ser a pessoa que ele mais deseja ser em toda a vida dele: apenas ele mesmo!
"Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana seja apenas outra alma humana." - Carl G. Jung
Foto por: Renate Vanaga e Honey Fangs

2 comentários:

  1. Adeeh, que post maravilhoso! Não faz sentido profissionais da área dizer sobre a "cura gay", sendo que não há doença alguma ali pra ser curada ou tratada. Não deveria ter pessoas em "armários" ou saindo deles, mas sim pessoas simplesmente sendo e descobrindo quem elas são. A sociedade de forma geral ainda tem muito o que aprender... Talvez eu que esteja um pouco por fora (estou voltado à blogosfera aos poucos), mas é extremamente difícil ver publicações nos blogs que falam de forma tão simples, delicada e clara sobre o assunto LGBTQIA+ com a psicologia. Por favor, continue falando sobre isso. ♥

    Compartilhando este post para mais pessoas ler o que você tem a dizer e ensinar.

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente a sociedade deixa as coisas mais difíceis ainda, ja é difícil tentar e entender no meio desse turbilhão de dúvidas e sentimentos, e com uma sociedade que não te acolhe, fica pior ainda. Que bom que gostou do meu espaço espero te ver mais vezes por aqui, tu és uma inspiração pra mim. Obrigado! ♥

      Excluir

© Adeeh Mello Blog - 2020. Todos os direitos reservados. Criado por: Adeilson Mello. Me siga no Instagram @adeehmello.