16/12/2019

Como apoiar o seu amiguinho LGBT na vida?


Vocês já assistiram Riverdale? Acho meio que impossível nessa altura do campeonato alguém não conhecer essa série. Talvez não tenha assistido ou nem sinta vontade, mas que já ouviu falar, isso já. Em um dos episódios da 3º temporada da série a personagem Cheryl Blossom (Madelaine Petsch) decide dar uma "ajudinha" no relacionamento entre o Kevin Keller (Casey Cott) e o Moose Mason (Cody Kearsley) que estão sofrendo por manter essa relação escondidos por conta da não aceitação do pai do Moose. A Cheryl em si junto com a Toni Topaz (Vanessa Morgan), já são uma representação LGBT mais do que maravilhosa na série e junto com o garotos Moose e Kevin, eles se tornaram os casais mais queridinhos para quem assiste a série e também é LGBT.

Só que Cheryl decide ajudar de uma forma não tão legal assim. Ela literalmente anunciou um grupo de ajuda para pessoas LGBT no colégio Riverdale, citando que dentro do colégio havia um garoto - no caso o Moose - que precisava de ajuda para se assumir e viver o seu amor em paz com todo mundo. A ideia central é legal, mas a forma como a Cheryl encontrou para falar sobre o problema no momento em que ocorreu não foi bem recebida pelo Moose. Na verdade eu acho que não seria bem recebida por ninguém que está nesta situação.

O assunto de hoje é justamente sobre isso, sobre como você pode apoiar seu amiguinho LGBT que está ainda naquele processo de se assumir, de se reconhecer e de mostrar para o mundo. Sabemos que esta situação não é fácil e nunca termina, porque além de você assumir-se para sua família, você terá o mundo inteiro ainda para se mostrar e isso leva a vida inteira e nem sempre acharemos o nosso espaço tranquilamente assim. Nessa luta o medo é constante e nunca teremos um final feliz para todos - quem dera fosse assim, ia ser perfeito - então porque não ajudar a amenizar essa dor e essa dúvida nos nossos amigos? Vamos lá!


Quando se tem um amigo LGBT a situação se torna um pouco diferente, é sempre bom você manter um nível de intimidade legal onde seu amigo possa se abrir com você e conversar sobre aceitação e se assumir para todos. Se houver uma oportunidade de conversar sobre o assunto, não deixe pra depois, o seu interesse mostra respeito, o seu interesse mostra carinho e amizade. Quem está falando, desabafando e mostrando um lado frágil da sua vida particular pra você agradece de coração e se sente mais confortável ao seu lado. Por isso é sempre bom saber como lidar nessas situações, vem comigo!


Conversar é preciso: como havia dito logo acima se houver a oportunidade de sentar e falar sobre tudo, aproveite bastante esse tempo. Assim como conversar sobre os pontos da situação, se for alguém ainda que primeiramente não se aceita você pode ajudar a esclarecer o melhor caminho. Detalhe: sua ajuda é de suma importância assim como o seu apoio, mas se indivíduo não deseja descobrir seu caminho não force. Siga sua vida normalmente, a pressão de que você deve seguir o seu destino ou não pode causar ansiedade e isso não é legal. Respeite o tempo certo de cada pessoa.

Não é não: em todos os sentidos não é não. Se seu amigo diz que não é gay por exemplo, não force a barra mais uma vez - olha essa barra aí novamente - respeite as respostas alheias, não venha com seus achismos sobre como a pessoa é em relação à sua visão sobre elas, respeite e fim. Ah! E quando houver algum episódio de homofobia, independente da resposta do seu amigo defenda-o. Isso mesmo, ajude a defender as pessoas que você ama, afinal ele confiou na sua aceitação em relação à resposta dele, não quebre esse laço de confiança nunca!

Pesquise e se informe: a comunidade LGBT tem uma diversidade enorme de informações bem separadinhas para que todos conheçam. Se você não se sente seguro em conversar sobre o assunto por não saber como entender o caso, pesquise. Pesquise primeiramente pelas informações que você obter pra vida inteira e em segundo caso para não ofender e nem falar algo errado no meio da situação. As vezes você fala algo ruim não por ser ruim e sim por não conhecer o que está se falando. Então se informe, conheça, procure e esteja no meio de tudo isso, quem sabe até você possa ser a máquina de informações futuras e que esses pontos possam ser repassados para muitas mentes.


Pessoas e pessoas: existe todo tipo de gente nessa situação, quem está disposto a te ajudar a ficar ao lado do seu amigo e quem não aceita a situação e se torna alguém irreconhecível a cada dia. Tentar mostrar como lidar com a situação é nosso papel principal, tentar falar sobre a dor alheia e ter um pouco de empatia. Mas quando isso tudo passa para o estágio da ofensa do deboche, o melhor é a gente deixar de lado, tanto para não causar conflitos quanto para não deixar a situação para o seu amigo mais desconfortável ainda. Se afastar é a ultima opção, lembre-se conversar e mostrar como tudo está ocorrendo é a melhor decisão. Quanto mais gente informada, mais pessoas conscientes.

O apoio é necessário antes e depois: você chegou até aqui, ajudou, apoiou e ficou junto em todos os momentos, mas o apoio continua em todos as situações lembra? Isso mesmo. Qualquer que seja a resposta de quem está perto do seu amigo nós podemos dar um jeito de ajudar de qualquer maneira. Se a resposta for negativa esteja do lado, tenha palavras confortantes e tenha sempre como dizer que a situação vai melhorar, afinal a gente está ali pra isso, pra mostrar que amamos acima de tudo. Se a resposta for positiva comemore, esteja junto também, agarradinho e ria bastante de tudo o que foi construído até aqui. Seja pra fazer a festa, seja pra chorar um pouco, seja amigo pra todas as horas.

Mais uma vez eu torno esse espaço um espaço de informação também. Eu gosto de escrever sobre coisas assim porque além do blog ser uma espaço para eu compartilhar a vida, eu posso também usa-lo como ferramenta de conhecimento. A tag LGBT surgiu justamente pra isso, para que quem está na comunidade conheça outros pontos e quem não está faça parte de tudo isso apoiando e conhecendo. A ficção pode nos ajudar ainda mais nessa divulgação, a todo momento estão sendo criadas séries sobre o universo LGBT e filmes também, assim como nem precisamos de uma série ou filme feito apenas para a comunidade, se tivermos apenas uma espaço de representatividade como no caso da Cheryl e a Toni já nos basta. O importante é que não seja guardado, seja sempre falado, discutido, esclarecido, seja informado. ♥

Instagram ♥ Facebook ♥ Pinterest ♥ We heart it ♥ Twitter

Nenhum comentário:

© Adeeh Mello Blog - 2020. Todos os direitos reservados. Criado por: Adeilson Mello. Me siga no Instagram @adeehmello.